Egresso da UCPel é destaque como docente no Chile

Espanha, Dinamarca, Suíça e Chile. Estes países fizeram parte da rota de sucesso conquistada por Ricardo Fernández Ramires. O pelotense saiu do ensino médio e, em 2001, a curiosidade pela genética o fez ingressar no curso de Ciências Biológicas da Universidade Católica de Pelotas (UCPel). Hoje Ricardo é professor nos cursos de Medicina e Odontologia, membro do curso de especialização em Patologia e docente na Pós-Graduação em Odontologia na Universidade do Chile.O ingresso em atividades extracurriculares como estágios na UCPel e bolsas de iniciação científica foi o ponto de partida para a construção da carreira. No último ano de graduação na Católica, Ricardo foi selecionado para realizar estágio no Centro Nacional de Investigações Oncológicas, em Madri, Espanha. A partir disso, o interesse pela genética do câncer só aumentou. Após a formatura, ele voltou a Madri para especializar-se em genética clínica no Hospital Ramon y Cajal.O mestrado e doutorado foram feitos na Universidad Autonoma de Madri, ambos em oncologia. “Lá, estudei o comportamento biológico e clínico de tumores chamados hereditários, como o que teve, por exemplo, a atriz Angelina Jolie”, conta, ao relatar que depois da conclusão dos cursos a vontade de conhecer mais o levou até o Hospital do Reino, em Copenhague, Dinamarca, para fazer o pós-doutorado. Na ocasião, Fernández estudou a patologia clínica dos tumores de mama e ovário, buscando marcadores (genes) que explicassem porque existe tanta heterogeneidade no câncer de mama.O segundo pós-doutorado foi na École Politechnique Fédérale de Lausanne, na Suíça, oportunidade em que aprendeu sobre a análise genética total do genoma humano de forma simultânea. Ricardo conta que ganhou diversas premiações, sendo uma das principais recebida durante a tese de doutorado. “Porém, foram as duas premiações que recebi nos Congressos de Iniciação Científica da UCPel me motivaram a seguir como cientista”, pontua.A oportunidade de ir para o Chile surgiu quando o professor soube da necessidade de um geneticista para coordenar o departamento de Oncologia da Faculdade de Medicina. Nessa instituição trabalhou por dois anos, até prestar concurso e ser aprovado na Universidade do Chile. Por lá, implantou o departamento de Patologia Molecular, onde, segundo ele, sua equipe de dentistas e bioquímicos buscam genes que ajudem a diagnosticar e tratar as lesões da boca, incluindo o câncer oral. Sabendo desse know-how na área bucal, a coordenação do curso de Odontologia da UCPel chamou o pesquisador para ministrar palestra com o tema “Genética das Lesões Orais”. Durante a Semana Acadêmica de curso, realizada nos dias 23, 28, 29 e 30 de setembro, Ricardo pode passar um pouco do seu conhecimento sobre a identificação e a origem genética das lesões bucais para alunos do primeiro ano de Odontologia. “Com relação a minha transição da biologia à odontologia eu diria que é resultado da minha curiosidade. Lembro que na época da graduação eu escapava das aulas de botânica e zoologia para ir estudar genética. Eu abria o livro e ficava vislumbrado pela quantidade de conhecimento que havia”, confessa.Sobre as dicas para obter o sucesso na área da pesquisa, o professor é enfático. “É preciso batalhar muito e não desistir até obter uma resposta positiva”, finaliza.VestibularO curso de Odontologia está entre as 21 graduações oferecidas pela UCPel em seu Vestibular de Verão 2017, que a partir desta edição terá três opções de seleção de ingresso: prova tradicional, agendada ou uso da nota do Enem. As inscrições podem ser feitas até o dia 18 de novembro através do site ucpel.edu.br/vestibular. A taxa de inscrição para o Vestibular Agendado, prova tradicional e para uso da nota do Enem é de R$ 50 até o dia 07 de novembro. Candidatos à Medicina pagam R$ 150, também até 7 de novembro. Após essa data, os valores serão alterados. foto da notícia