fbpx

Depois de confeccionar os simuladores de sutura, também chamados de “skins” por se assemelharem à pele humana, agora os integrantes do projeto de extensão “Confecção de simuladores acadêmicos para sutura com materiais poliméricos biocompatíveis de baixo custo” da Universidade Católica de Pelotas (UCPel) trabalham em duas novas iniciativas. A primeira é o desenvolvimento da terceira geração das “skins” utilizadas pelos alunos da Medicina para treinar a sutura em ferimentos e cirurgias. A outra novidade é o desenvolvimento de um simulador da mucosa oral para os acadêmicos do curso de Odontologia.

A nova versão dos simuladores de sutura, explica a coordenadora do projeto de extensão, professora Chiara das Dores Nascimento, consiste na confecção das skins em três camadas: pele, subcutâneo e tecido muscular. A evolução torna o utensílio ainda mais fiel ao tecido humano. Assim como o simulador da geração anterior, o novo também dispõe de uma base com ajuste regulável para manter a incisão das  camadas abertas, além de duas versões: um modelo com parafusos de plásticos para  unir as três camadas – no caso do consumidor querer apenas comprar as camadas que se encontram desgastadas por excesso de uso -, e o segundo modelo com aderência de um mix de cola especial para unir as três camadas do polímero. “Antes confeccionamos simuladores monocamada, utilizando apenas um tipo de polímero. Com a tecnologia dos polímeros disponíveis no mercado, foi possível diferenciar dureza, pigmentação, textura e uma maior resistência ao rasgamento para tornar o simulador o mais realístico possível”, revela  professora Chiara.

A ideia é de que os novos protótipos de simuladores de sutura  sejam testados por profissionais para depois serem entregues aos alunos da Medicina. Participam da confecção das skins os alunos: Jeniffer Chaves (Biomedicina), Diana Rey (Biomedicina), Mariélli da Rosa (Biomedicina), Maria Eduarda (Medicina) e Arthur De Marco (Medicina).

Mucosa Oral

Outra novidade do projeto de extensão é o simulador de mucosa oral. A ideia é simular a língua suína, material utilizado para a prática de técnicas de sutura na disciplina de Cirurgia, do curso de Odontologia. Dessa vez o projeto quer desenvolver um utensílio que possua as propriedades físicas e práticas comparáveis a mucosa oral associando com baixo custo, a fim de otimizar o aprendizado dos alunos. Segundo a coordenadora do projeto o uso da língua suína para o ensino da técnica possui diversas disfunções por ser um material perecível e de origem animal. A aluna do sétimo semestre da Odonto, Luiza Simões Pires da Silva, é a responsável pela confecção do instrumento para prática acadêmica com auxílio do colaborador do projeto, o auxiliar de laboratório eletrônico da UCPel, Marcel Luiz Basso.

O simulador, idealizado em 2021, agora já ganhou um novo formato, com material que irá simular a estrutura óssea da mandíbula. A proposta é de que o kit de sutura para cirurgiões-dentistas seja validado em julho por profissionais da área e chegue aos alunos da Odonto da UCPel ainda em  2022.

 

Redação: Alessandra Senna

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *